domingo, 23 de dezembro de 2012

Valeriana ( Valeriana officinalis ) - fonte de relaxamento e tranquilidade, a erva também garante civatrização de feridas

http://www.ervasmedicinaiscuram.com/
Você anda agitado, ansioso ou preocupado?  A rotina está estressando e o esgotamento bate à porta? Pois saiba que náo precisa andar com os nervos à flor da pele, nem perder noites de sono. Confie nas propriedades medicinais da valeriana ( Valeriana officinalis ), planta usada há mais de mil anos com a finalidade de acalmar os ânimos. A erva possui secoiridoides, liganas e óleos essenciais que têm ação sedativa, calmante, hipnótica, analgésica, anticonvulsivante, relaxante muscular e analgésica. Trata problemas nervosos e os que derivam do desequilíbrio emocional: angústia, palpitações, neuroses, histerias, irritabilidade e cefaleia, por exemplo. Em mulheres, ajuda no tratamento de distúrbios menstruais e da menopausa. Também regulariza as fermentações intestinais, eliminando gases e cólicas na região do abdômen. Como analgésico, ameniza dores reumáticas e as decorrentes de contusões. É um excelente cicatrizante quando aplicado sobre as feridas, como compressa ou emplastro. Apesar do odor e sabor não serem dos mais agradáveis, é possível utilizar as raízes da planta em chás, mas também consumi-las nas formas de extrato seco e cápsulas

Banho relaxante de ervas


Ingredientes:

  • 2 xícaras ( chá ) de folhas de valeriana
  • 1 xícara ( chá ) de folhas de erva-cidreira 
  • 1 xícara ( chá ) de folhas de malva
  • 1 xícara ( chá ) de flores de tília
  • 3 litros de água

Modo de Preparo: Ferva a água e adicione todas as ervas. Deixe ferver por mais 15 minutos. Coe e, durante o banho, despeje lentamente pelo corpo, do pescoço para baixo.

Valeriana é indicado para:


  1. ansiedade
  2. nervosismo
  3. insônia
  4. TPM
  5. dor de cabeça
  6. dores musculares
  7. convulsões
  8. distúrbios menstruais

Contra-Indicações: o uso da planta não é recomendado para gestantes, pessoas com hipoatividade cerebral, sonolência e hipotireoidismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário